Produtos
Professor Gretz
Bassos & Associados
Norber
Apdata

Publicidade


Publicidade
Banner p e n

Blogs

Gestão & Pessoas

Maria do Rosário M. da Silva

Coaching & Mentoring

Marcos Wunderlich

Juntando os Pontos

Nelson Chapira e
Erika Knoblauch


No Tom do RH

Tom Coelho


Publicidade


Valeu, gente!



Qual é a grande carência atual no mundo das organizações? Os líderes dirão, com certeza, que é a falta de comprometimento com as prioridades e objetivos empresariais; se perguntarmos às pessoas, tanto líderes como liderados, ouviremos que é a falta de reconhecimento.

 

Todos somos carentes de reconhecimento, pois não cultivamos o hábito de expressar gratidão. Somos malabaristas, vivendo uma época de mudanças. Ficamos angustiados com enormes incertezas do dia de amanhã; estamos sobrecarregados, trabalhando 14 horas por dia, fazendo sozinhos o trabalho que antes era feito por 2 ou 3 pessoas; o horário de trabalho invade sem cerimônia o nosso tempo de família, lazer e cuidados pessoais; estamos disponíveis para nossas empresas 24 horas por dia, com celulares e e-mails; gastamos duas horas por dia lendo e-mails; e ficamos com um enorme vazio no peito, pois não nos sentimos reconhecidos.

 

Mas, apesar disto tudo, conseguimos dar conta do recado e muitas vezes nos superamos e atingimos resultados excepcionais. Alguns exemplos:

 

·a profissional que, além de toda sua carga de trabalho, tem uma participação marcante num trabalho voluntário e ainda organiza o jantar de aniversário do marido, depois de ter acompanhado a lição dos filhos

 

·o executivo que tem que conviver com o mau humor de um chefe tirânico, e apesar de ter passado longas horas de vôo noturno, recebe a exigência de um relatório “para amanhã cedo”; e ainda consegue ter energia para estruturar a campanha publicitária de um novo produto da empresa

 

·a secretária que tem de atender a vários chefes simultaneamente, com prioridades conflitantes, cuidar da contabilidade particular de cada um deles, não perder o prazo de pagamento de nenhuma conta e ter sempre uma expressão atenciosa e bem humorada, administrando as “farpas” nos relacionamentos e evitar que os “chatos” importunem seus chefes.

 

 Estas são pessoas comuns conseguindo resultados extraordinários, num ambiente adverso, fazendo muito mais que a sua obrigação. São pessoas que vão além do “você é pago para isto”. São pessoas que recebem seu pagamento no final do mês, que se dedicam de corpo e alma às suas atividades, e que precisam um “algo mais”, que é o reconhecimento pelo que estão realizando. Este é o “combustível” que necessitam. Esperam, no mínimo, um “muito obrigado” de seus chefes, colegas, subordinados e clientes.

 

As pessoas trabalham por um salário (monetário, participação, benefícios, bônus, etc.) e por um salário psicológico. E esta é a grande carência. O que concretamente cada um de nós pode fazer?

 

·Ficar atento e, quando detectar resultados positivos, AGRADEÇA e ELOGIE, se possível em público.

 

·Promover uma celebração pelos resultados alcançados: happy hour, churrasco, reunião festiva.

 

·Dar uma lembrança, como um ramo de flores, um livro, um diploma, um chocolate. E

 

stes pequenos gestos causam resultados surpreendentes, pois alimentam poderosamente nossa auto-estima, que impulsiona desempenhos excepcionais, gerando comprometimento (a grande queixa dos líderes)!

 

Para que o reconhecimento deixe de ser uma carência e traga resultados contínuos, alguns cuidados são fundamentais:

 

·Saiba receber cumprimentos e reconhecimentos. Se você se vestiu muito bem hoje e alguém diz: “como você está bonito hoje”, agradeça por ter reparado e não fique no “imagine, eu não mereço, não é nem tão boa esta roupa, eu comprei numa liquidação”.

 

·Reconhecer não depende de posição hierárquica ou situação: você pode reconhecer ações de seu chefe (sem se tornar um “puxa-saco”), contribuições de sua empregada doméstica, um lindo gol de um colega do futebol ou uma nota alta de seu filho na escola.

 

·O reconhecimento psicológico complementa, mas não substitui o salário.

 

·Não exagere no uso do reconhecimento. Ficar agradecendo a todo o momento por atividades comuns e rotineiras desgasta os momentos de real reconhecimento e pode ainda parecer algo hipócrita. Mas, na dúvida entre reconhecer ou não, opte por reconhecer! ·Não esqueça de agradecer a Deus por tudo o que tem recebido!

 

por Magdalena e Gustavo Boog são consultores gerenciais e comportamentais, diretores da Boog & Associados e parceiros do Projeto GP&C – Gestão de Pessoas & Competências. E-mail info@boog.com.br. Fone (11) 5183-5187

1455


ESTE É UM PRODUTO DA FÊNIX EDITORA - TEL: 11 5585-9400 - contato@rhcentral.com.br Copyright - RHCentral - Todos os direitos reservados